Instagram Youtube Flickr

Meio ambiente: vídeo dá dicas de como separar o lixo doméstico

Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um modo de agir, mas um hábito – Aristóteles

Não é de hoje que o meio ambiente pede socorro. Algumas das agonias enfrentadas pela natureza, aliás, já estão trazendo reflexos para os nossos lares. Vivemos uma época de economia de energia e de água, de poluição atmosférica, de contaminação das nossas águas e, particularmente, de produção exagerada de resíduos.

E por falar em resíduos, você já prestou atenção no seu lixo hoje? Na quantidade de resíduos que produziu em casa, no trabalho ou na rua? Às vezes, é difícil ter este controle, mas o cuidado ao descartar aquilo que não nos serve mais é algo simples e que faz muita diferença para o meio ambiente.  Para ajudar neste processo, a Revista GNU separou algumas dicas e curiosidades sobre o tema.

 

O que, afinal, é reciclável?

Define-se como reciclável todo resíduo descartado que poderá ser reutilizado ou transformado em novos produtos, muitas vezes originais. Entre eles, temos: o vidro, o papel, o plástico, metais, isopor e embalagens longa vida. Mas mesmo ao separar e descartar estes materiais, devemos ter alguns cuidados, pois não é possível reciclar, por exemplo, papel com material orgânico, como caixas de pizza ou guardanapos cheios de gordura, ou, ainda, pontas de cigarro, fitas adesivas, fotografias, papéis sanitários e papel-carbono.

Outro cuidado importante é diferenciar o que são os resíduos orgânicos, que também não podem ser misturados com os chamados resíduos limpos ou secos. Existem separações mais completas e detalhadas, mas para dentro das nossas casas ou em ambiente de trabalho, algo mais simples torna-se bem eficaz. Se considerarmos a rotina diária, a ideia é pensarmos em gerar menos desperdícios, melhorar o aproveitamento dos recursos e, assim, contribuir de forma efetiva para preservar o hoje e viver o amanhã.

 

Então, como separar o lixo doméstico?

– Não misture recicláveis com orgânicos (sobras de alimentos, cascas de frutas e legumes). Coloque plásticos, vidros, metais e papéis em sacos separados.

– Lave as embalagens do tipo longa vida, latas, garrafas e frascos de vidro e de plástico. Seque-os antes de depositar nos coletores.

– Papéis: os papéis devem estar secos. Podem ser dobrados e nunca amassados. Todos os tipos são recicláveis, inclusive caixas longa-vida e de papelão. Não recicle papel com material orgânico, como caixas de pizza cheias de gordura, pontas de cigarro, fitas adesivas, fotografias, papéis sanitários e papel-carbono.

– Vidros: Embrulhe os vidros quebrados e outros materiais cortantes em papel grosso (do tipo jornal) ou coloque-os em uma caixa para evitar acidentes. Garrafas e frascos não devem ser misturados com os vidros planos. Quando limpos e secos, todos são recicláveis, exceto lâmpadas, cristais, espelhos, vidros de automóveis ou temperados, cerâmicas e porcelanas.

– Plásticos: 90% do lixo produzido no mundo são à base de plástico. Por isso, esse material merece uma atenção especial. Recicle sacos de supermercados, garrafas de refrigerante (pet), tampinhas e até brinquedos quebrados.

– Metais: além de todos os tipos de latas de alumínio, é possível reciclar tampinhas, pregos e parafusos. Atenção: clipes, grampos, canos e esponjas de aço devem ficar de fora.

– Isopor: O isopor é reciclável. No entanto, esse processo não é economicamente viável. Por isso, é importante usar o isopor de diversas formas e evitar ao máximo o seu desperdício. Quando tiver que jogar fora, coloque na lata de plásticos. Algumas empresas transformam em matéria-prima para blocos de construção civil.

 

> Saiba como fazer uma mini-horta em espaços menores, como apartamentos

 

A separação de resíduos no GNU

O Grêmio Náutico União vem demonstrando práticas de conscientização ambiental em alguns dos seus eventos como aconteceram no Festival de Cerveja Artesanal & Food Trucks e na Feijoada do Pavão, entre outros. Nestas ocasiões, a engenheira Alessandra Pires, da empresa 4P Gestão Ambiental e integrante do comitê de sustentabilidade do Clube, conscientizou o público em geral e os colaboradores do GNU.

Especificamente no Festival de Cerveja Artesanal, todos os food trucks receberam sacos nas cores marrons e verdes para que houvesse a separação de orgânicos e recicláveis. Antes do evento, houve um treinamento com os colaboradores do União para que pudessem fazer a gestão dos resíduos junto aos participantes durante toda a atividade – destaca a engenheira química.

Pode parecer um detalhe, mas as cores dos plásticos são originárias da Resolução do Conama nº 275, de 25 de abril de 2001, que estabelece o código de cores para diferentes tipos de resíduos, numa identificação para coletores e transportadores. O GNU já adota esta legislação desde o ano passado, disponibilizando lixeiras com  sacos marrom, verde e cinza, respectivamente para os resíduos orgânicos, recicláveis em geral e rejeitos.

Os resíduos orgânicos recolhidos no Clube, por exemplo, vão para uma compostagem e, posteriormente, retornam como composto orgânico para adubar as plantas – explica Alessandra.

 

Conheça um pouco sobre as cores dos sacos plásticos e suas funcionalidades:

Azul:  papel/papelão
Vermelho:  plástico
Verde: vidro
Amarelo: metal
Preto: madeira
Laranja: resíduos perigosos
Branco: resíduos ambulatoriais e de serviços de saúde
Roxo: resíduos radioativos
Marrom: resíduos orgânicos
Cinza: resíduo geral não reciclável ou misturado, ou contaminado não passível de separação

 

Curiosidades:

– A reciclagem de uma única lata de alumínio economiza energia suficiente para manter uma TV ligada durante três horas.

– Cerca de 100 mil pessoas no Brasil vivem exclusivamente de coletar latas de alumínio e recebem, em média, três salários mínimos mensais, segundo a Associação Brasileira do Alumínio.

– Uma tonelada de papel reciclado economiza 10mil litros de água e evita o corte de 17 árvores adultas.

– Para produzir 1 tonelada de papel é preciso 100 mil litros de água e 5 mil KW de energia. Para produzir a mesma quantidade de papel reciclado, são usados apenas 2 mil litros de água e 50% da energia.

– Cada 100 toneladas de plástico economizam uma tonelada de petróleo.

– O vidro pode ser infinitamente reciclado.



Skip to content