Instagram Youtube Flickr

Unionistas trazem prêmio literário para Porto Alegre

Catia Garcia Schmaedecke, com “TUC”; e Beatriz Buksztejn Castiel Menda, com “Círculo Vicioso”, são as ganhadoras, na categoria Conto, do Concurso Nacional de Literatura dos Clubes promovido pela Fenaclubes (Confederação Nacional dos Clubes). Os nomes dos vencedores foram divulgados em jantar dia 1º de julho. As duas tiveram empate técnico e receberam individualmente, além do troféu, R$ 1.000,00.

Unionista desde 2008, Catia agradece ao clube por ter voltado o interesse para algo tão importante como a Arte Literária. “Temos um filho de 13 anos, que ingressou pequenino na pré-escola União.” Arthur sempre praticou esportes nas escolinhas do clube, e também se interessa por livros. “É um privilégio para essa geração ter essas duas atividades”, afirma a orgulhosa mãe. .

De acordo com Catia, a Arte Literária deve receber incentivo. “Pois através dela se faz o registro de todas as outras Artes. Só é possível avaliarmos a evolução humana porque foi registrada ao longo do tempo”, explica. .

Segundo ela, a tecnologia existe para facilitar a vida, entretanto, a”Arte Literária existe para permanecermos até mesmo quando não mais existirmos”.

Ela sempre gostou de escrever. “Costumo dizer que escrever é fazer do sonho matéria-prima para a realidade”, descreve.

Em 2015 publicou, de modo independente, seu primeiro romance “A Casa da Grande Colina”. Em 2018 concluiu o Curso Livre de Formação de Escritores, pela Metamorfose Cursos. Ali compartilhou a sala de aula com nomes importantes do cenário literário, tais como Leticia Wierzchowski (A Casa das Sete Mulheres), Airton Ortiz com o seu Jornalismo de Aventura.

Foi selecionada para participar de três coletâneas de contos dos alunos da Metamorfose. “Anti-heróis”, “LiteraFLIX”, e “Banquete”, lançado em julho deste ano. Também participou de oficinas literárias com Fabrício Carpinejar, Marcelino Freire, Marcelo Spalding.

Quando viu a chamada para o concurso literário no site do Grêmio Náutico União, pensou “Por quê não? Depois de estudar tanto, acho que vale a pena tentar”. E arriscou.

Entretanto, recebeu a notícia da premiação com certa incredulidade. “Eu sonhava, porém não imaginava que meu conto fosse premiado.” Segundo Catia, demorou um pouco para absorver a notícia. “Comemoramos muito. Tenho certeza de que jamais esquecerei aquele telefonema.”Ela agradece especialmente a dois incentivadores. “Eles que estão sempre me dando apoio: meu marido Peter Schmaedecke e meu filho Arthur.”

 

Promoção incentiva a escrita

Também escritora desde pequenina, a outra vencedora da premiação, Beatriz Buksztejn Castiel Menda, já publicava contos no Suplemento Infantil do Jornal Folha da Tarde e ganhou prêmio em concurso literário do Clube Hebraica, na década de 1960. Participou ainda de uma antologia de contos publicada pela Oficina Literária do Luiz Antônio Assis Brasil.

Ao ver a chamada para a disputa entre os clubes, motivou-se. “Fazia tempo que não participava de concursos literários.”

Relata que ficou muito alegre, pois ultimamente, por ser advogada, só vinha escrevendo peças jurídicas.

“Ver que ainda consigo elaborar uma peça literária, que agrade a uma comissão julgadora qualificada como essa, trouxe-me uma grande emoção.”

Para ela, todas as iniciativas quem promovam a escrita literária são importantes para construir um país do qual se tenha orgulho. “Espero que continue a ter promoções como essa. Fiquei muito feliz de poder bem representar nosso Grêmio Náutico União.”

> clique aqui para ler na íntegra o conto “TUC” de Catia Garcia Schmaedecke
> clique aqui para ler na íntegra o conto “Círculo Vicioso” de Beatriz Buksztejn Castiel Menda



Skip to content