Instagram Youtube Flickr

Tudo o que você precisa saber sobre o Parapan que iniciou hoje

Na manhã desta sexta-feira, 23, se iniciou mais uma edição dos Jogos Parapan-Americanos, que este ano acontece em Lima, no Peru. Esta edição da competição continental contará com 3 representantes unionistas dentre os 337 atletas que compõem a delegação brasileira, que, aliás, é a maior da história do país. O Grêmio Náutico União será representado por três atletas da para-natação: Maria Carolina Santiago, Maria Dayanne Silva e Susana Schnarndorf. Confira na sequência cada uma das atletas.

 

Maria Carolina Santiago

Estreante no Parapan, Maria Carolina vive um grande momento na carreira. A pernambucana de 33 anos praticava até outubro de 2018 a natação convencional. Agora, disputando competições paralímpicas há menos de um ano, chega a Lima com números que impõem respeito. Santiago possui o melhor índice brasileiro de 2019 em sete provas, detém outros nove recordes brasileiros, além do recorde mundial da prova dos 100m peito SB12.

Neste Parapan, Carol disputa a seguintes provas:

 100m Peito SB12 – 26/8 (seg) – classificatória: 13h47 – Final: 21h16

 100m Costas S12 – 27/8 (ter) – Final: 12h

 400m Livre S13 – 29/8 (qui) – Final: 12h05

 50m Livre S12 – 29/8 (qui) – Final: 21h01

 100m Borboleta S13 – 30/8 (sex) – Final: 12h47

 200m Medley SM13 – 31/8 (sáb) – Final: 12h57

 100m Livre S12 – 31/8 (sáb) – Final: 19h06

 

Maria Dayanne da Silva

Ao contrário de Carol Santiago, Maria Dayanne Silva chega para a sua terceira participação em Jogos Parapan-Americanos, mas a primeira defendendo as cores unionistas. Se depender do retrospecto da potiguar de 27 anos, a expectativa é a melhor possível. Em 2011, no Parapan de Guadalajara, conquistou o bronze na prova de 50m borboleta S6; em Toronto, 2015, além da medalha de ouro, a nadadora estabeleceu o novo recorde parapan-americano.

Além de ser esperança de ouro brasileiro, Dayanne é uma das estrelas da campanha Movimento Paralímpico, que você vê abaixo.

Nesta edição dos Jogos, Dayanne nada as seguintes provas:

50m Borboleta S6 – 26/8 (seg) – classificatória: 11h22 – Final: 20h10

100m Costas S6 – 29/8 (qui) – Final: 19h18

50m Livre S6 – 30/8 (sex) – classificatória: 12h04 – Final: 21h41

100m Livre S6 – 31/8 (sáb) – classificatória: 11h24 – Final: 21h

 

Susana Schnarndorf

Desde sempre envolvida com esportes, Susana era triatleta e chegou a disputar os Jogos Pan-Americanos de 1995, na Argentina. Entretanto, em 2005, aos 37 anos, foi diagnosticada com MSA, Múltipla Atrofia dos Sistemas. A partir de então, precisou reestruturar sua carreira e partiu para o paradesporto.

Disputou os Jogos Paralímpicos de Londres 2012 e nos Jogos Paralímpicos do Rio 2016 conquistou a medalha de prata no revezamento 4x50m livre misto. Em função de a MSA ser uma doença degenerativa, Susana tem trocado de categoria nos últimos anos, já tento competido nas categorias S7, S6 e S5. Atualmente, disputa as provas na categoria S4, na qual possui o melhor índice nacional do ano em duas provas e o segundo melhor em outras 3. Susana ainda detém recordes brasileiros nas categorias SB5, SM5, SB6 e S6, nas quais não compete mais.

Neste Parapan veremos Susana em ação nas seguintes provas:

50m Costas S4 – 25/8 (dom) – classificatória: 11h07 – Final: 19h37

150m Medley SM4 – 26/8 (seg) – Final: 13h40

50m Livre S4 – 26/8 (seg) – classificatória: 11h06 – Final: 19h42

100m Peito SB4 – 27/8 (ter) – Final: 21h13

100m Livre S4 – 28/8 (qua) – classificatória: 11h – Final: 19h28

200m Livre S4 – 30/8 (sex) – classificatória: 11h15 – Final: 19h10

 

O que define cada categoria?

Diferentemente da natação convencional, as categoria da paranatação são divididas em função da deficiência apresentada por cada atleta. Essa separação é indicada por letras e números, como SM4, S6 e SB12, por exemplo. Mas o que cada uma significa?

Todas as categorias da natação são iniciadas pela letra “S” de swimming, nadação em inglês. Ela indica as provas de nado livre, costas e borboleta. O nado peito é representado pelas letras “SB”, onde “B” significa breaststroke. Há ainda a prova de nado medley identificado pelas letras “SM”.

Já os números indicam o comprometimento físico, visual ou intelectual do atleta. Dos números 1 a 10 estão os atletas com alguma deficiências físico-motoras; dos números 11 a 13 estão os atletas com deficiência visual e atletas com número 14 possuem deficiência intelectual. Vale ressaltar ainda, que em cada uma dessas classificações números mais baixos representam maior grau de comprometimento. Desse modo, atletas da categoria S1 têm maior limitação física que os atletas da categoria S10, por exemplo.

> Esta matéria aqui, do Best Swim detalha exatamente a separação das categorias.

Lembrando que você acompanha toda a cobertura da participação das atletas unionistas aqui no site e nas redes sociais do clube: Facebook, Instagram e Twitter.

 

Convênios

O GNU em parceria com o Comitê Brasileiro de Clubes (CBC) investe na formação de seus atletas através de recursos descentralizados da nova Lei Pelé.

 



Skip to content