Instagram Youtube Flickr

Gestação e movimento

Até pouco tempo, os cuidados com gestantes beiravam a atenção a um doente. Só eram permitidos movimentos leves, nada de carregar peso e quanto menos atividade física melhor. Só que a recomendação mudou.

É claro que tudo é bastante individualizado. Cada grávida tem uma condição prévia, e qualquer atividade deve ser liberada pelo médico e acompanhada por um educador físico. Até abdominais podem ser realizados!

A afirmação é da professora Tatiana Schmitz, educadora física do Grêmio Náutico União e com larga experiência com gestantes ao longo da carreira.  “Se ela já era uma mulher ativa e não tem problema de saúde ou limitação, pode fazer abdominais sem problema”, garante.

Conforme Tatiana, nas aulas de hidroginástica, a musculatura do abdômen é bastante exigida.  “As gestantes ativas conseguem fazer tranquilamente”, afirma.

E as sedentárias também podem começar a praticar exercícios. O ideal é iniciar tão logo a mulher deseje, mas é importante consultar o obstetra para que ele esteja ciente e diga se não há restrições.

“É bom aproveitar esse período para iniciar, pois as mulheres geralmente estão bastante motivadas pela gestação. Mas tudo deve ser de acordo com o seu condicionamento”, explica a médica do GNU, Rosemary Petkowics.

Os benefícios da atividade física para gestantes vão além do que a prática proporciona para qualquer pessoa. Realizando treino aeróbico, as futuras mamães trabalham a resistência e a respiração. Com a musculação, reforçam o assoalho pélvico, melhorando as condições para o parto e reduzindo dores na região lombar.

 

Hormônios na montanha russa

Quando a mulher engravida, há mudança de produção hormonal além de várias alterações fisiológicas. Um ponto bem importante, conforme a médica Rosemary Petkowicz, é “o aumento do relaxamento da flexibilidade de ligamentos, através do hormônio relaxina e isso também contribui para permitir a abertura da pelve”.

Em função da liberação desta substância, a prática de exercícios deve ser muito bem orientada. “É importante não realizar movimentos bruscos, pois a elasticidade da mulher está maior. A relaxina aumenta a amplitude e a flexibilidade em todos os movimentos, não somente na região pélvica”, revela.

A parte respiratória também é afetada com o avanço dos meses de gravidez, e a realização de exercícios físicos contribui para melhorar a resistência aeróbica. “À medida que o útero aumenta, vai acontecendo uma restrição ventilatória, e a respiração fica mais curtinha.” O ideal, segundo ela, para quem nunca praticou atividade física, é começar após o primeiro trimestre e respeitando as orientações do obstetra.

Uma gestante que realizou atividade física vai ter um retorno ao peso anterior com mais facilidade, além de uma recuperação mais rápida da musculatura. O retorno aos exercícios pode acontecer, no caso de parto normal, em 30 dias após o nascimento do bebê, com práticas leves. Já quem realizou cesariana, o período pode ser um pouco mais longo, próximo dos 60 dias. “É importante salientar que a prática de exercícios não afeta a amamentação”, lembra Rosemary.

 

Vídeos orientam gestantes

O Grêmio Náutico União produziu uma série de vídeos falando sobre esse tema. Com dicas da educadora física Tatiana Schmitz e o depoimento da associada Marianne Schrader de Oliveira, a atração está disponível em diversos canais de comunicação. Confira também abaixo:



Aplicativo GNU

Skip to content